Carta De Um Amigo

19:32 Felipe Betim 3 Comentários


Independente de sua crença ou religião, tire deste texto aquilo que nas entrelinhas ele passa. Tire o amor que nele contém e entenda sua verdadeira essência.

Sob as pétalas da flor de lótus debrucei-me. Nos lindos campos floridos e iluminados pelo por do sol da manhã pairei os pensamentos, que já não corriam mais em várias direções..

Amigos, venho até aqui para lhes contar minha breve história. Não julguem-me por meus atos passados, e sim por meus presentes.

Sou hoje um espírito mais esclarecido, mas um dia vivi nas mágoas, vivi preso na raiva, não respeitava minha família nem mesmo meus amigos, que na verdade nunca foram amigos.

É, irmãos. Eu era um problema! Vivia enfiado nas drogas e no álcool, tentando curar minhas feridas internas, mas elas nunca se fechavam, apesar de eu viver tentando fazê-las desaparecer, pelo menos enquanto as químicas destruíam meu corpo por dentro..

Vivi dia após dia mendigando um amor que jamais conhecera, vivendo atrás de gente que assim como eu, não conhecia o dom do “amar”. Vivia atravessando os becos escuros durante a noite, atrás de mais químicas, ou qualquer outra coisa que me desse prazer e satisfação.

Era alguém pobre de fé. Jamais havia pisado em uma igreja ou em um centro espírita. Era um renegado, negando a mim mesmo o tempo todo.

Depois de alguns anos nessa vida - considerada por mim - injusta, presenciei o falecimento de minha mãe, provavelmente por estar cansada demais de me ver naquele estado horrível, onde minhas feições se transformavam para pior com o passar dos meses.

Após este episódio, vivi dores insuportáveis, tanto pelo fato das drogas pesadas corroerem-me por dentro, quanto pela morte sem sentido da única pessoa que eu ainda conseguia dar um “bom dia”.

Amigos. Depois disso tudo começou a piorar. Meu pai já não tinha a mesma paciência e começou a me ameaçar. Principalmente quando bebia, e foi aí que vi a gota d’água. Passei a viver ainda mais nas ruas durante as noites. Já nem estudava mais. Escola era apenas um lugar que freqüentava de vez em quando.

Estava eu, corrompendo-me cada vez mais, até que não vi mais sentido em nada, e faleci na mente, no corpo e no espírito.

Tudo era escuro. Tudo era dor e sofrimento. Minha vida não significava mais nada e naquele momento, pela primeira vez senti medo. Senti a falta de minha amada mãe. Senti a falta das pessoas que tentavam me ajudar todos os dias e eu simplesmente não as ouvia. Senti falta de algo que naquele momento eu não pude explicar..

Sabe, a vida às vezes se transforma em coisas terríveis quando a gente para de ver sentido nela, e quando não o vemos, tudo se torna escuro.

Passados pelo menos uns 2 ou 3 anos terrestres naquela situação, chamei minha mãe, mas chamei-a tão intensamente, com tanta fé que ela fosse mesmo aparecer, com um resquício de amor que nem sabia que podia existir dentro do meu peito, e, irmãos, ela veio!

Pela primeira vez em muito tempo senti-me feliz e preenchido, como se tudo o que me faltasse fosse a luz que dela emanava naquele momento.

Fui resgatado e levado para um outro plano astralino. Vi-me num hospital cor de rosa, cheio de outros enfermos com problemas talvez até piores que os meus, e lá, naquele plano novo de existência fui me adaptando. Aprendi muitas coisas sobre o espírito que havia esquecido, e até resgatei um pouco de minha abandonada fé. Mas a lição mais dura que tive de aprender, talvez a mais cruel e a que desceu rasgando por dentro, foi a lição de que ninguém é absolutamente nada sozinho.

Somos espíritos ligados uns nos outros por laços familiares, por necessidade de aprendizado e sintonia. Tive de aprender a duras penas a entender minha família e seus defeitos. Infelizmente naquela vida não compreendi a essência da mesma, mas hoje entendo de corpo e alma tudo aquilo que senti na luz que vi sair de minha mãe.
Em breve regressarei ao mundo da carne para que possa viver uma nova experiência e “pagar” alguns dos muitos carmas deixados por mim em vida.

Espero que com minha história vocês não precisem sofrer o tanto que sofri para entender que família é uma das coisas mais importantes na vida, e que não importa o quanto tente, sua felicidade depende de outros também.

Agradeço por lerem minha mensagem. Sou muito grato a Deus por me possibilitar esta bendita oportunidade de compartilhar esta história com vocês.

Espero que na aurora celeste nos encontremos todos, felizes e de bem com a vida! Meus profundos votos de paz à vocês. Um abraço de luz e até breve!

Você pode gostar também

3 comentários:

  1. Caro amigo, não sei em que período terreste você viveu, mas até nos dias atuais por mais que estamos evoluidos tecnologicamente em nosso tempo, há situações muito semelhante que a sua, na verdade existem várias, os assaltos, roubos, sequestros, furtos tudo por causa das substâncias químicas que causam dependências no corpo orgânico, pois é um modo "fácil" de tentar fugir dos problemas se intoxicando e curtir a "viagem" que isso lhe proporciona, mas a felicidade que de fato é simples mas não tão fácil de se entender, tirei um trecho do meu blog o seguinte parágrafo do título "caoticidade":

    "...A tão desejada felicidade para uns parecem ser impossíveis de ser alcançadas, e na internet as pessoas com as fotos dos últimos passeios e viagens com amigos e familiares sorridentes, que para alguns quer passar a impressão de alegria e felicidade, sendo que muitos dos casos a vida não é um mar de rosas e andar nas nuvens, mas sim a conquista de um bom período de estres em serviço, dos dramas pessoais com diversos problemas que nem imaginamos quais são, mas o melhor é ver pessoas com boas energias, as good vibes que mesmos com as dificuldades sabem viver a vida dentro do que é possibilitado, sem ser o mar das lamentações ambulante..."

    Para le-lo inteiro acesse: http://semrotulo.wordpress.com/2011/05/25/caoticidade/

    ResponderExcluir
  2. Muito bom esse relato! Obrigada por compartilhar!

    ResponderExcluir