Oran Mor

05:17 Felipe Betim 0 Comentários




No topo das montanhas, podia-se ouvir o canto sereno e doce daquelas vozes femininas, que produziam tanta beleza e alegria, e até a natureza ao redor parava para ser agraciada com as belas emanações de amor que dali saíam.

Eram as noites de festa na tribo Celta, onde os maridos saiam para buscar a comida, presenteada pela própria Mãe das mães e os poetas compunham na aurora do despertar.

Em tempos de paz e magia, reinava Um bem maior. Algo que falava aos corações de cada um naquela aldeia, e todos eles sabiam que o Oram Mor era a canção que ligava cada alma, até as que ainda não entendiam nada disso..

Eram fieis a suas ligações passadas: A natureza. Adoravam o amanhecer como também o cair da noite. Respeitavam cada ser vivo, até uma pedra, por ínfima que fosse, pois sabiam que O Todo está tudo!

Respeitavam suas ligações, seus relacionamentos e suas conquistas por mérito, pois esta era a prova viva de que haviam vencido a si mesmos mais uma vez.

Entendiam que o dia não estava completo sem música, pois a música era a manifestação das idéias divinas entre eles, de uma forma tão física, mas tão espiritual ao mesmo tempo, que simplesmente não havia mais nada que precisasse ser dito além das belas canções.

Tocavam na aurora, com o coração e as cordas do espírito, e despertavam suas consciências para a eternidade todos os dias.

Eram essas almas que viviam buscando sem parar, pois sabiam que nada é definitivo nesta vida, mas mesmo assim, mantinham a mente serena, em nome da certeza que tinham sobre tudo chegar no momento certo.

Cuidavam uns dos outros, como pais e irmãos. E seus laços eram eternos e duradouros, assim como a presença do Todo em suas almas.

Cante, ó serafim,
Ilustre a moraria dourada com teu brilho.
Ore ao Todo pela luz nossa de cada dia,
E conosco, escute a canção das estrelas,
Pois elas estão lindas nesta noite de festa!
Cante e dance na Presença,
E sinta em teu coração o que sinto em meu coração.

Não há paz maior que retrate melhor,
Aquilo que sinto em espírito e verdade.
E esse é o Oran Mor!
Essa é a canção da alma,
Essa é a música da Luz!

P.s.: Oran Mor é o mito da criação Celta, traduzido como “A Grande Melodia”. Seria o início de tudo. O primeiro “som” que deu origem a todos os outros “sons”.

Você pode gostar também

0 comentários: