Viva!

17:47 Felipe Betim 0 Comentários


O que somos senão poeira cósmica?

Separados mas unidos por forças da soberania divina, vivemos levando nossos dias da forma como escolhemos levá-los; das formas boas ou das ruins.

Tudo no universo se renova o tempo todo; o tempo sem tempo de Deus, onde o inefável, o imperecível reina, e sobre ele nada há. Lá, onde tudo sempre existiu, mas onde tudo está em constante transformação.

A força do tempo impera sobre os homens que vivem presos às suas próprias leis, mas o tempo de Deus é outro. Para Deus não há escravidão, não há labor que faça o homem se exaustar e adoecer. Lá, o que reina é a bem-aventurança, abundante em todos os sentidos imagináveis e inimagináveis. Não existe fome, não existe sede. No mundo das ideias só existe a dissolução do ego e da avareza. Nada que se faz mais pesado que uma pena vive muito..

A vida do homem é seu próprio obstáculo. É o que lhe faz tropeçar e cair várias vezes, às vezes sem cessar. A vida do homem inconsciente é o início do fim, de seu próprio fim, e ai dele se não despertar na metade do caminho, pois assim tropeçará quando a carne se tornar pó na terra novamente.

A vida não deve ser o bálsamo de azar que muitos vivenciam. A vida é o alvorecer da consciência e nada mais.

Ela não é as roupas caras que veste, não é os carros que movimenta, nem a família que tem. A vida é o além da consciência humana, a estrada do espírito até o Criador. Ela é a reta, a curva ou a bifurcação que cada um tem que trilhar. E viver uma vida fora desses caminhos é não viver.

Somos sim poeira cósmica neste universo equânime, mas cada um de nós está seguindo o caminho de cada um para ficarmos cada vez mais próximos uns dos outros, para que num dado momento a poeira se torne estrela, e assim, brilhar no coração do Todo que está em tudo, e relembrar que nada que vive está separado, mas sempre unido por algo que a pobre consciência humana não alcança, mas que o rico coração do espírito imutável sente sem esforço algum, afinal, de onde tiraríamos tanta força pra viver, se não soubéssemos no íntimo que a criação é eterna e que nenhum filho nasce sem pai?!

Viva! Viva! Viva!

P.s.: Texto recebido mediunicamente por um espírito que aprendeu com a vida que não dá pra vivê-la sem amar, nem cultivar a convicção serena de que um dia voltaremos ao início, mas que o hoje é mais importante.

Você pode gostar também

0 comentários: