Depoimento De Quem Encontrou A Luz

10:38 Felipe Betim 4 Comentários


Olá, meu nome é Miguel! Já não sou mais um espírito com um corpo tão sólido como o de vocês, mas continuo vivíssimo aqui do outro lado. Na verdade, a razão pela qual estou aqui é porque ouvi que haviam muitos encarnados aí na Terra recebendo mensagens dos “mortos” como eu. E resolvi aparecer por aqui, que foi onde mais me identifiquei energeticamente.

Minha história é curta, mas espero que mesmo com pouco conto, não se deixem levar pelos caminhos que trilhei.

Tudo começou quando vi o mar! A paixão foi à primeira vista. E quando entrei, não quis mais sair. Tempos depois inventei de comprar uma prancha, e, cara! Me esbaldei em ondas e mais ondas, sentindo cada milímetro da adrenalina percorrendo meu corpo.. E assim foi, cada vez mais apaixonado pelo mar, pelo surf e pela vida liberal que levava com os amigos da época.

Aos poucos fui me afastando do chão, da família, dos verdadeiros amigos e acabei encontrando outros novos, que me satisfaziam imensamente mais: as drogas! Era quase que moda entre nós surfistas, ficarmos “legalzões”, na boa, pra curtir a vibe que as brisas do mar nos traziam. Mas foi aí que me perdi, sem nem mesmo ver por onde deixei minha sanidade.

Comecei com drogas mais fracas, e fui só aumentando a carga, até tomar remédios analgésicos pesados, depois outras drogas que acabaram comigo e foram corroendo o que ainda restava de mim aos poucos.

E assim assinei meu atestado de óbito. Morri numa baita overdose, na areia da praia, em frente ao meu mar, com gente tão louca de droga ao meu lado que simplesmente ninguém conseguia me ajudar.

Fiquei órfão.. mas não de pais, pois eu simplesmente já não os tinha mais. Fiquei órfão de mim, da minha essência, daquele cara que todo mundo gostava e que não fazia mal a ninguém, e que por fim se matou sozinho.

Quando passei pro outro lado, sentia dores horríveis no estômago, como se tratores passassem o tempo todo por cima de mim. Vi-me num lugar escuro, fedorento e horrível. Vi pessoas nas mesmas condições que eu e até piores (se é que dava pra imaginar coisa pior). Vi pela primeira vez o que algumas pessoas chamavam de “inferno”, outras de “purgatório”. E era real. Eu sentia tudo.. e por mais lúdico que fosse, era tudo real.

Fiquei assim durante algum tempo, e nem sei ao certo quanto, pois pra mim foi uma eternidade. E já não me restava mais nada, nem ninguém. Só eu mesmo.. e foi aí que eu chorei. Mas não mais de dor, pois as lágrimas de dor já haviam secado há bastante tempo. Chorei o choro do perdão: do perdão a mim mesmo. Me desculpei naquela hora, porque entendi que a dor só ia passar se eu parasse de me lamentar, e então vi algo que me chamou a atenção: vi uma mulher lindíssima e cheia de luz, me contagiando com um amor tão forte que até as dores eu já não sentia mais. E ela me chamou pelo nome: - Miguel! O que acha de sairmos daqui agora?

Eu nem pensei para aceitar. Apaguei completamente e só acordei muito tempo depois (de acordo com os médicos) no que a galera daqui chama de “Centro de Reabilitação” (tipo um hospital da Terra, só que bem mais bonito e organizado). E foi lá que eu compreendi tudo. Que vi no que tinha me tornado, e como eu desperdicei uma encarnação inteira à toa..

Sabe, era pra eu ter sido biólogo marinho e ter ajudado muitos animais que estão em extinção aí no planetinha azul. Mas fraquejei e perdi o rumo.

O que eu quero que entenda é que por mais que as coisas do mundo te ceguem, a visão do teu espírito jamais para de olhar tudo, e sempre te avisa quando você “sai” do caminho. Então não faça como eu, e a escute sempre, pois ela sem dúvida está aí, basta senti-la te mostrando tudo aquilo que é melhor pra você.

Logo eu vou ganhar um corpo novo, e dessa vez eu não vou errar assim. Vou continuar a amar o mar, mas agora com os olhos do meu espírito abertos.

Muito obrigado e muita luz no seu coração!

Miguel

P.s.: Texto recebido mediunicamente enquanto estava numa viajem de trem pra faculdade. O espírito não me passou maiores informações de quando desencarnou, apenas disse seu nome, relatou sua história e me passou seu retrato no desenho acima.

Você pode gostar também

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom este texto...História que se encaixa não só para viciados em drogas, mas viciados em "perceber" que a própria Vida é uma droga e não se ligar que ao contrário é uma Benção que deve ser Experienciada a cada segundo. Muito bem escrito...Parabéns pelo "canal" que se permitiu ser. Abraço Carinhoso AnamCara.

    ResponderExcluir
  3. Felipe,
    Parabens pelo relato que trouxe...tenho certeza que muita gente parara e pensara ...que desvio estou fazendo da minha vida ....ele amava o amar e iria ser biologo marinho ...e nos ..amamos tantas coisas e nos perdemos também..obrigada! um beijão, beth

    ResponderExcluir
  4. Grata pelo texto e por dividirem essa experiência conosco, Miguel e Felipe. A vida realmente oferece inúmeras tentações, mas se estivermos conectados e atentos, recebemos sempre orientação superior. Paz e Luz!

    ResponderExcluir